arquivo

Arquivo mensal: setembro 2012

Imagem

Para experimentar paz interior, precisamos de poder. Entendimento nos dá poder. Não um entendimento intelectual mas um entendimento que vem da realização de “Quem eu sou”. Para experimentar silêncio, precisamos nos separar de todas as preocupações e pensamentos. Eu tenho que usar o intelecto (razão) e praticar o poder de concentração. Quando o intelecto fica estável, sentimentos profundos e puros podem ser criados. Há o desejo de ficar em silêncio mesmo enquanto fazendo alguma atividade. Silêncio não é sentar em algum lugar e ficar passivo. Silêncio é ser ativo.”

Dadi Janki. Into great silence, The World Renewal, September, 2012

Foto.’Flicker’ Michelle Karpman

Anúncios

Imagem

.5 conselhos errados que as revistas femininas dão sobre o amor.

Da série “Coisas que você não sabia sobre o amor e relacionamentos (parte III)”

– Parte I: O amor duradouro é possível.

– Parte II: Sexo pode fazer os homens se apegarem e desejarem relacionamento sério – inclusive com prostitutas.

Por Ana Paula Severiano

Regras infalíveis para conquistar o homem dos sonhos e fazer a relação durar são um clássico da filosofia de boteco feminina. Boa parte delas a ciência desmente – e dá pistas sobre o que realmente funciona.

Você precisa bancar a indiferente

Vários conselhos giram em torno deste tema: “não atenda todas as ligações para não parecer tão disponível, invente uma desculpa para não ir para cama com ele na primeira noite, não exagere nos cuidados e no afeto ou ele vai se espantar e fugir”. Bobagem, meros joguinhos. O que parece mesmo fazer o affair deslanchar é achar alguém com as mesmas intenções que você: relacionamentos duram quando as duas pessoas têm níveis de comprometimento parecido, segundo um levantamento de um time de pesquisadores da Universidade de Minnesota. Eles analisaram os perfis e vídeos de 78 casais discutindo para tentar resolver o problema que mais lhes incomodava. Os vídeos foram vistos e analisados conforme as manifestações de hostilidade – expressões de frieza e rejeição, por exemplo – e desesperança de cada um. Também foi avaliado como os parceiros tentavam acalmar um ao outro. Resultado: os casais com diferença de comprometimento foram os que demonstraram mais hostilidade e tendência ao rompimento. Quando os dois eram superempenhados ou superdesencanados, a tendência era ficar tudo bem. A reciprocidade é o que vale: se o outro dá sinais de estar na sua, é atencioso, te liga etc., não faz sentido querer bancar a indiferente pra fazer charminho. O tiro pode sair pela culatra.

Ele anda apático? Prepare um jantar romântico

Nada disso. Esquentar um relacionamento que anda meio morno – como dizem as revistas femininas – exige maior quebra de expectativa. Melhor levá-lo para andar de montanha-russa. Um estudo publicado por Arthur Aron, pesquisador da Universidade de Stony Brook, em Nova York, expôs casais desanimados a experiências novas e excitantes, como ver filmes de terror, e notou melhora na qualidade de vida da dupla. A conclusão é que nessas situações ocorre um aumento de neurotransmissores como dopamina, adrenalina e norepinefrina – também produzidas quando você se apaixona -, o que faz lembrar o começo do namoro. O problema do jantar romântico é que pode ser rotineiro demais, portanto, com menor capacidade de liberar as mesmas substâncias.

Nunca deixe ele perceber que o jogo está ganho

Outra receita clássica é de que os joguinhos de sedução no início da relação devem se manter no longo prazo – seria importante não abrir a guarda totalmente, deixar o parceiro sempre com alguma dúvida sobre os seus sentimentos e sua entrega. Muita gente persegue essa máxima ao longo de toda a vida a dois. Pois bem. Cientistas da Universidade do País Basco que estudaram esse comportamento chamam essas pessoas de “inseguros esquivos”, do tipo que não se envolve demais porque, no fundo, acredita que é melhor “não ter” do que ter e perder. É aquele preocupado em estar sempre por cima. O outro tipo de inseguro são os ansiosos, que fazem o oposto: forçam a intimidade e cuidam compulsivamente do parceiro. São justamente aqueles que costumam dar aos amigos a impressão de estar por baixo na relação e ouvem esses conselhos de que “você se entrega demais, faz tudo pra ele, seja menos dedicada” ou o radical “homem gosta mesmo é de ser pisado”.

Essa classificação de inseguros esquivos, inseguros ansiosos e seguros foi usada por Javier Gomez Zapiain, líder do estudo basco, ao avaliar os modelos afetivos dos 211 casais voluntários da pesquisa, para investigar a relação entre o sexo, a afetividade e as demonstrações desse afeto. As pessoas eram avaliadas e separadas nesses 3 grupos e respondiam a questionários. Conclusão? Quem, na média, demonstrou mais satisfação sexual e mais felicidade na vida a dois foram os de perfil seguro. Eles são os que sabem trocar de papel conforme o momento da relação e de cada um. Segundo os pesquisadores, são pessoas que conseguem se colocar em posição de dependência e reconhecer quando precisam de suporte, além de se expressar quando estão passando por momentos de ansiedade, e ao mesmo tempo lidar com a carência do outro, entender quando o parceiro está se sentindo mal e precisa de atenção. Rebatendo o conselho: demonstrar que você está carente e precisa muito da pessoa não necessariamente vai causar desinteresse no outro. Abrir a guarda faz parte, além de dar o sinal verde para que o outro também possa se mostrar fragilizado quando for o caso.

Não vá para a cama no primeiro encontro

“Resista à tentação ou ele vai pular fora na manhã seguinte”, é o que martelam na cabeça das mulheres. Mas será que a estratégia surte algum efeito? Uma análise de 2010 da Universidade de Iowa considerou um estudo com 642 adultos heterossexuais de Chicago, que responderam sobre a qualidade do seu relacionamento e o tempo que demoraram para fazer sexo. Casais que liberaram geral na primeira noite não disseram estar menos felizes do que os que esperaram. “É possível que o amor verdadeiro surja quando as coisas começam com uma abordagem mais direta, quando as pessoas flertam, se envolvem sexualmente e depois constroem a relação”, diz Anthony Paik, o sociólogo responsável pela análise. Vai nessa linha a pesquisa feita pelo site Match.com com mais de 5 mil pessoas solteiras – e consultoria da antropóloga Helen Fisher, da Universidade de Rutgers, nos EUA. Ela mostrou que 35% da amostra já saiu para um encontro casual, fez sexo na primeira noite e manteve um relacionamento longo depois disso. Segundo Barry Gibb, biólogo da University College London e autor do livro The Rough Guide to Brain, é até melhor ir logo para cama e descobrir se vocês são compatíveis. Se forem, vai ser demais e haverá grande liberação de ocitocina e vasopressina, hormônios do desenvolvimento do apego e da confiança. Se não, vocês partem para outra e pronto. Desse ponto de vista, as duronas estariam apenas perdendo tempo.

Se ele está mesmo apaixonado, vai se lembrar das datas especiais

Parece ser realmente legal quando um cara presenteia a mulher com um buquê de flores para celebrar a data da primeira vez que eles dividiram juntos um chiclete. Afinal, gestos valem mais do que palavras, certo? Talvez não. Em um estudo publicado em 2010, as psicólogas Lara Kammrath e Johanna Peetz, das universidades de Wilfrid Laurier, no Canadá, e de Colônia, na Alemanha, afirmam que os sentimentos amorosos podem levar a alguns comportamentos românticos, mas não a outros. Atitudes mais espontâneas, como dizer “eu te amo” e oferecer uma massagem relaxante quando a companheira chega em casa cansada, estão mais associadas à paixão do que a ações que dependem de uma memória de longo prazo e de planejamento, tipo se lembrar de datas especiais, organizar uma serenata ou não esquecer de tirar o lixo (caso isso seja uma prova de amor para você, como foi para algumas das garotas do estudo). Seria o atestado de razão para aqueles que desconfiam que aquele amigo que costuma fazer surpresas cinematográficas para todas as namoradas, na real, faz isso mais porque gosta de um espetáculo do que movido por uma paixão avassaladora, maior que a dos outros.

http://super.abril.com.br/blogs/como-pessoas-funcionam/5-conselhos-errados-que-as-revistas-femininas-dao-sobre-o-amor/

Imagem

Homens e mulheres que nascem com um potencial enorme para realizar-se em todos os campos possíveis, intelectuais, emocionais, criativos, sexuais e materiais, lutam dia a dia para alcançar a satisfação e o êxito, mas parece que estão condenados ao fracasso. Alejandro Jodorowsky chama  essa “sentença” de “Neurose de Fracasso”. Não se pode viver de sua arte, ou ser pai ou mãe, ou ter prazer sexual, ou um trabalho digno, ou publicar seu livro, ou ser feliz com seu parceiro, ou prosperar em um negócio; na realidade, a pessoa cumpre uma espécie de castigo, carga com uma culpa por algo o que os pais foram transmitindo através de mensagens mais ou menos sutis. Essas mensagens podem ser classificadas em cinco grupos:

FRACASSO POR… MENSAGENS RECEBIDAS DOS PAIS
Superar os pais
  • “Não pudemos triunfar nos negócios”
  • “Não existe boa relação de casal”
  • “Estamos insatisfeitos sexualmente”
  • “Queríamos estudar e não pudemos”
  • “Nunca pudemos levar uma vida realizada”
Haver sido uma carga
  • “Tive que me casar por sua culpa”
  • “Deixei minha carreira quando fiquei grávida de você.
  • “Não tínhamos dinheiro e nasceu você”
  • “Nos sacrificamos por você”
  • “Não cabíamos em casa e você teve que vir ao mundo.
Haver frustrado
  • “Esperávamos um menino e nasceu você”
  • “Queríamos uma menina, mas nasceu menino”
  • “Queríamos que fosse mais tranqüilo e foi inquieto”
  • “Te esperávamos loiro e com olhos azuis e olha…”
  • “Não és tão inteligente como esperávamos”
Haver traído
  • “Somos açougueiros, e você quer ser um artista? “”
  • “Como pode se casar com essa pessoa?
  •  ”Todos somos de este partido político, e você me aparece com essa!
  • “Ninguém em nossa família teve essas crenças religiosas tão  estranhas como as que você tem”
Haver ido embora
  • “Nos abandonas agora que necessitamos de você”
  • “Você não pode tornar-se independente”
  • “Esse lugar que você vai viver não te convém”
  • “Você não é ninguém para nos deixar desta forma”
  • “Seu lugar é aqui, perto de nós”

Cada neurose de fracasso se cura mediante a psicomagia de uma maneira diferente, mas sabemos que é sempre melhor confrontar que queixar-se e permanecer no fracasso. Para confrontar com os pais, é recomendável escolher um lugar neutro, aceitar desde o principio que não pedimos que as pessoas mudem, a reparação se faz diretamente ao ser essencial da outra pessoa, aceitar que essa pessoa lhe dará o que você lhe pede ou não; se ela não lhe da, o cosmos te dará. Para fazer a confrontação com pessoas que morreram, podemos fazer em seu tumulo, e sempre acabar de forma positiva, por exemplo, escrevendo com mel palavras de cura.

No encontro confrontação, se tratarão os seguintes pontos que prepararemos com antecipação:

1º-Isso é o que me fez.

2º-Isso é o que eu senti.

3º-isso é o que eu produzo em minha vida.

4º-Isso é o que eu sigo padecendo.

5º-Esta é a reparação que me deve.

Livrar-nos da culpa, das proibições e do castigo do fracasso, sincronicamente fará que se derrubem muros, se rompam limites e se  abram portas que antes estavam fechadas. Nascemos com um infinito potencial de realização, é hora de permitirmos o êxito.

Imagem

1.-Interromper o fluir criativo significa ficar doente.

2.-Uma árvore genealógica doente que não deseja continuar crescendo, atrofia o ego criativo-sexual dos frutos que nascem.

3.-A saúde mental e física está diretamente relacionada com a permissão que nos damos para criar com liberdade.

4.-O poder da energia criativa é o poder da vida.

5.-O universo é criação e nós formamos parte do universo.

6.-Existem contratos com a árvore genealógica que limitam ou proíbem a criatividade, por exemplo uma neurose de fracasso.

7.-Abrindo as portas da criatividade, a energia curativa começará a circular.

8.- O ser essencial que habita em cada um de nós, é parte e todo da consciência subjacente do universo. Levamos a energia criadora do universo dentro de nós.

9.-Abrir o cadeado que mantinha fechada a energia criativa, é dar vida ao conteúdo inconsciente reprimido e ter acesso a ele para a cura.

10.-Não existe gente criativa e gente não criativa. A criatividade está em função do nível de consciência e da liberdade com que nos permitimos expressá-la.

Alejandro Jodorowsky

Imagem

“Agradeço-lhe por ter tido o privilégio de ser sua colaboradora e companheira na vida. Agradeço-lhe pelo mais perfeito casamento do mundo, baseado em brahmacharya (autocontrole) e não no sexo. Agradeço-lhe por me considerar sua igual no trabalho de toda sua vida pela Índia. Agradeço-lhe por não ser um desses maridos que passam o tempo em jogos, corridas de cavalos, mulheres, vinho e canções, cansando-se de suas esposas e filhos como um menino logo se cansa dos brinquedos infantis. Como sou agradecida por você não ser um desses maridos que dedicam seu tempo a enriquecer com a exploração do trabalho alheio!
Que agradecida estou por você haver colocado Deus e a pátria acima do suborno, porque teve a coragem de suas convicções e fé completa e implícita em Deus. Que agradecida estou por ter um esposo que colocou Deus e a pátria antes de mim. Agradeço-lhe pela tolerância a mim e às minhas limitações na juventude, quando eu resmungava e me rebelava contra as mudanças que fez em nosso modo de vida, de tanto para tão pouco.
Quando criança, vivi na casa de seus pais; sua mãe era uma grande e bondosa mulher; ela me treinou, ensinando-me a ser uma esposa valente, corajosa e a conservar o amor e o respeito de seu filho, meu futuro esposo. No decurso dos anos, à medida que você se tornava o líder mais amado da Índia, não senti qualquer dos temores que perturbam a esposa quando seu marido sobe a escada do sucesso, como tantas vezes acontece em outros países. Eu sabia que a morte nos encontraria ainda como esposo e esposa.”

Kasturbai, esposa de Mahatma Gandhi